BASES TÉCNICAS E CIENTIFICAS DE ATUAÇÃO DA REDE DE INCUBADORAS ITCP – INCUBADORAS TECNOLÓGICAS DE COOPERATIVAS POPULARES – NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS NO BRASIL

FORMAÇÃO CIENTÍFICA CIDADÃ PARA INCLUSÃO SOCIAL & AMPLIAÇÃO DAS OPORTUNIDADES DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA PELA ECONOMIA SOLIDÁRIA E TECNOLOGIA SOCIAL

Ricardo T. Neder 1

Introdução

Tem sido apontado e defendido à exaustão que a universidade não é uma organização social passível de operar como uma entidade governamental, ou não-governamental e semelhante (CHAUÍ,1999, TRINDADE, 1999; CATANI e OLIVEIRA, 1999).

Logo, questões comerciais relacionadas a patentes e direitos de propriedade intelectual (moeda para trocas da universidade com empresários inovacionistas quando tem interesse em direitos de exploração ou propriedade industrial) não podem ser consideradas o paradigma de mudanças para a universidade brasileira em suas vinculações com a sociedade.

Fazer esta redução será negar a própria natureza da universidade como instituição social criada e gerida para objetivos que se aplicam à totalidade ou universalidade dos pobres e ricos, incluídos e excluídos da sociedade. A falsa questão de inserir na universidade um ethos de empreendedorismo pela via de reduzir a universidade às configurações do inovacionismo baseado nas tecnociências não nos faz avançar uma resposta alternativa para as necessidades urgentes de formação científica da nossa população jovem.

Para ser ainda mais diretos na formulação do problema, os que estão no campo das tecnociências não discutem mudança social decorrente das vinculações entre tecnologia e ampliação das desigualdades. Como sabemos, devido à potencialização da tecnologia contemporânea, estas vinculações são amplificadas ao extremo, e para compreendê-las não bastam as teorias da administração e negócios.

1. (*) Coordenador do Núcleo de Política Cientifica, Tecnológica & Sociedade – NPCTS – Altos Estudos CEAM e do grupo de pesquisa OBMTS – OBSERVATÓRIO DO MOVIMENTO PELA TECNOLOGIA SOCIAL NA AMÉRICA LATINA – UNB é um grupo de trabalho (CNPq/UnB) projeto de pesquisa-ação e ensino com o objetivo de criar um espaço acadêmico teórico para abrigar atividades discentes e docentes vinculadas aos Estudos CTS – Ciência Tecnologia Sociedade com base na Teoria da Adequação Sociotécnica. Tem trabalhado na formação de alunos e pesquisadores, profissionais e lideranças comunitárias com demandas sociais por soluções sociotécnicas, em parceria com entidades civis e governamentais para fomentar a avaliação sistemática de experiências populares, comunitárias e de políticas públicas segundo os princípios do movimento pela tecnologia social. (Coord. Ricardo Toledo Neder e integrante do coletivo gestor do Núcleo de Política CTS – Ciência, Tecnologia, Sociedade – NP+CTS do CEAM – Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares – Reitoria da UnB).

Quem somos

Somos um grupo de pesquisa formado em 2010 na Universidade de Brasília (UnB), com sede no Campus Planaltina. Certificado pelo CNPq,  nosso trabalho é dedicado a pesquisa e construção de Tecnologias Sociais a partir da perspectiva dos Estudos de Ciência, Tecnologia e Sociedade (ECTS). Logo, há no cerne de nossos fazeres a trans e multidisciplinaridade. Entre nossos pesquisadoras, pesquisadores, técnicos e técnicas há uma sorte ampla de formações e atuações, inclusive no que concerne ao conjunto de saberes na trajetória pessoal de cada partícipe.

Promovemos eventos e cursos, publicamos livros e periódicos, incubamos cooperativas tecnológicas populares por meio de nossa incubadora – ITCP – e mantemos parcerias com instituições e universidades dentro e fora do Brasil.

Desde 2010 criamos e mantemos a revista “Ciência & Tecnologia Social”; coleção “Construção Social da Tecnologia” 06 vols. publicados 2010-2014 (Para baixar os ebooks clique aqui); realizamos cursos pós-graduação & extensão CTS com docentes brasileiros e estrangeiros com o apoio Escola Altos Estudos CAPES – Proc. 0042/2013.

Neste período estamos trabalhando na estruturação de um futuro programa de pós-graduação estudos CTS na UnB com linhas vinculadas Adequação Sociotécnica; Auto-Gestão, ECTS, Linguagens, Saberes & Ciência; e ECTS & Educação. Além de um núcleo de Estudos em Tecnologias da Informação e Comunicação e suas Políticas.

Para tanto mantemos cooperação com diversos pesquisadores e institutos. Dentre nossos principais colocaboradores estão o Instituto de Estudios Sociales de la Ciência y Tecnología da Universidade de Quilmes (Buenos Aires, Argentina); a Cátedra Filosofia da Tecnologia do Canadá e o Applied Comunication and Technology Laboratory – Andrew Feenberg Universidade Simon Fraser (Canada) e o  Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento (IN+) da Universidade Lisboa e Instituto Técnico Superior de Portugal.

Para conhecer mais o Observatório, convidamos você a navegar por este site, pela revista C&TS, pelo repositório Ubá  e pelo site da ITCP. Qualquer material escrito nesses sítios estão sob a licença Creative Commons. Isso quer dizer que você pode baixar, citar, derivar e recriar conteúdo. Basta que cite a fonte original.

Últimas postagens